A Malásia é um dos países mais agradáveis e fáceis de visitar do Sudeste Asiático.

Várias décadas de crescimento económico sustentável e estabilidade política fizeram desta nação uma das regiões mais prósperas e ricas.

Embora seja verdade que o poder político (malaios) e a influência económica (chineses) permanecessem tradicionalmente separados por linhas étnicas, a Malásia tem defendido uma cultura pluralista baseada numa fusão vibrante de culturas e costumes malaios, chineses, indianos e indígenas.

A maioria dos visitantes permanecem na península da Malásia, onde o louco fervilhar da cidade de Kuala Lumpur é compensado pelo tranquilizante ambiente colonial da região de Cameron Highlands Hill ou pelo torpor hedonista de Langkawi.

Muitos poucos turistas, situadas chegam a visitar as cidades de Sarawak ou Sabah (casas comunais) e o imponente Monte Kinabalu, na ilha a leste da Malásia, com a sua espetacular fauna selvagem.

 

Nome oficial

Federação da Malásia

 

Regime Político

Monarquia eletiva constitucional

 

Superfície

329.847 km²

 

População

27.730.000 habitantes

 

Capital

Kuala Lumpur

 

Grupos Étnicos

A Malásia é uma sociedade multicultural com malaios, chineses e indianos a partilhar o país.

Os malaios são a maior comunidade, 60% da população. Os chineses formam cerca de um quarto da população. Os indianos formam cerca de 10% da população. Também existe uma considerável comunidade sikh. A restante população é composta por tribos indígenas.

 

Língua

Bahasa Melayu ou Malaio é a língua mais falada, seguida dos os dialetos chineses, indianos e inglês.

 

Religião

52% muçulmanos, 17% budista, 12% taoístas, 8% cristãos, 8% Hindu, e 2% religiões tribais.

 

 

Guia do viajante | Malásia

 

As condições sanitárias

Não há vacinação obrigatória, mas é aconselhável fazer prevenção para as seguintes doenças, dependendo da área visitada: dengue, hepatite, malária e raiva.

 

Clima

Tropical, quente e húmido. O período de Outubro a Fevereiro é marcado pela ocorrência de monções a norte do território. Na zona sul, a monção inicia-se em Abril.

 

Hora local

7 horas a mais durante o verão e de 8 horas durante o Inverno relativamente a Portugal.

 

Electricidade

A corrente elétrica é de 125 ou 220 volts.

 

Moeda

A moeda oficial é o Ringgit, que é dividido em 100 Sen. É possível viajar com euros ou dólares americanos.

 

Dicas

É costume dar gorjeta, geralmente, por algum serviço especial. No entanto, a maior parte das pessoas fica a aguardar por alguma gratificação.

 

 

Que fazer

Kuala Lumpur

Em 130 anos, Kuala Lumpur deixou de ser um lugar desprovido de interesse para se tornar numa cidade moderna e movimentada com mais de 1 milhão de habitantes. Embora, numa primeira impressão possa parecer que KL (como lhe chama os locais) é mais uma entre as novas metrópoles asiáticas com arranha-céus atrativos, mantém a sua natureza peculiar e as cores autótones que têm sido tão efetivamente apagadas noutras cidades em ascensão da Ásia, como Singapura.

KL conserva muitos edifícios coloniais no centro da cidade, um bairro chinês vibrante com vendedores de rua e mercados noturnos, bem como um bairro indiano cheio de vida.

Quando em Kuala Lumpur se constrói uma obra, é sempre feita em grandes proporções. Os arranha-céus gémeos Torres Petrona - os edifícios mais altos do mundo - dominam o horizonte, e na Praça Merdeka permanece um mastro de 95 m de altura. O mercado noturno de Chinatown tornou-se numa das melhores zonas para jantar.

 

Malaca

Malaca apresenta uma mistura interessante de influências chinesas, portuguesas, holandesas e inglesas, e é considerada a cidade da Malásia com mais história.

Malaca, que no passado foi o mais importante porto comercial na região, tornou-se num canto esquecido.

Juncos de aparência decrépita ainda navegam pelo rio, dando à zona do porto o encanto das paisagens onde o tempo parou. A cidade mantém as ruas chinesas misteriosas, antiquários, templos e edifícios que evocam as potências coloniais europeias do passado com nostalgia.

A relíquia mais impressionante do período holandês é a enorme Câmara Municipal cor-de-rosa, Stadthuys, construído entre 1641 e 1660. É considerado o edifício holandês mais antigo da Ásia e exibe todas as características próprias da arquitetura colonial holandesa (portas incrivelmente pesadas e janelas com persianas). O edifício alberga escritórios do governo e um excelente Museu Etnográfico, onde se destacam os aspectos da história e cultura local.

As majestosas ruínas de igreja de São Paulo, construída pelos portugueses há mais de quatrocentos anos, encontra-se situada na bela colina de São Paulo.

São Francisco Javier, que visitou frequentemente o santuário, esteve enterrado aqui por pouco tempo até que os seus restos mortais foram transferidos para Goa, na Índia. A Igreja caiu em desuso quando chegaram os holandeses, embora ainda esteja rodeada por antigas lápides holandesas.

 

Georgetown - Ilha Penang

A ilha de Penang com 285 km2, situada ao largo da costa noroeste da Península da Malásia, é a mais antiga colónia Britânica na Malásia e uma das mais importantes estâncias de turismo do país.

As praias da ilha são consideradas como o seu melhor "trunfo", mas estão um tanto sobrevalorizadas. O que realmente faz "mexer" a Ilha de Penang é a vibrante e original cidade de Georgetown (400 mil habitantes), localizada na costa nordeste da ilha. Esta cidade tem um maior "sabor" Chinês do que Singapura ou Hong Kong, e nas áreas mais antigas é legítimo pensar que o relógio parou há 50 anos atrás. Georgetown é uma cidade compacta, constituindo um verdadeiro prazer vaguear pelas suas ruas.

Seja em que direção for, encontraremos certamente belíssimas antigas casas chinesas, mercados de legumes, poderá observar cerimónias em templos, "trishaws", jogos de mahjong e apreciar todo o vaivém que caracteriza o quotidiano asiático.

Ainda é possível ver as paredes gastas pelo tempo do Forte Cornwallis, no centro de Georgetown, onde desembarcou o primeiro cidadão britânico em 1786, o Capitão Light, na que era então uma ilha virtualmente desabitada. Esta personagem fundou um porto franco e o forte de pedra foi concluído poucas décadas depois. A área dentro do forte é presentemente um parque de canhões espalhados ao acaso, muitos deles apreendidos a piratas locais. Seri Rambai, o maior e mais importante canhão, possui uma história pitoresca, que data de 1600:é famoso pelo seu poder procriador, e as mulheres sem filhos são aconselhadas a colocar flores e a fazer preces ao cano do canhão.

Penang tem muitas kongsis (casas de clãs que são parcialmente usadas como templos e salas de reunião para os chineses do mesmo clã ou apelido) mas Khoo Kongsi é de longe a melhor. O edifício original era tão magnífico e elaborado que ninguém ficou surpreendido quando o telhado se incendiou precisamente na noite em que foi concluído. Este infortúnio foi reconhecido meramente como um sinal de que o edifício era grandioso demais e posteriormente foi construído um edifício com uma estrutura menos elaborada. Dá que pensar como seria a opulência do original, visto que a estrutura actual é uma mistura deslumbrante de dragões, estátuas, quadros, candeeiros, azulejos coloridos e esculturas.

O Templo Kuan Yin Teng, mesmo no centro da parte antiga de Georgetown, não é nem de longe nem de perto tão impressionante, mas é um dos templos mais populares da cidade, e vêem-se frequentemente veneradores a queimar notas de dinheiro nos fornos, espectáculos nocturnos de marionetes ou teatro chinês.

Para apreciar a melhor vista da cidade e da ilha, entre no teleférico que sobe o Monte Penang , se eleva 830 m acima de Georgetown e proporciona um alívio refrescante do calor húmido da parte baixa. No topo, existem jardins agradáveis, um hotel, um templo hindu e uma mesquita.

Ao entardecer, quando Georgetown, situada num plano muito inferior, começa a iluminar-se, a vista é particularmente deslumbrante

 

Cameron Highlands

As Cameron Highlands, no centro da Península da Malásia, são constituídas por uma série de propriedades de montanha a altitudes entre 1500 e 1800 m. Esta área fértil é o centro da indústria do chá na Malásia e é o local para onde os habitantes e os turistas se deslocam para escapar ao calor das planícies.

As atrações turísticas incluem passeios na floresta e até às cascatas, visitas às plantações de chá e aos jardins maravilhosos e a observação de uma imensidão de flores selvagens.

A temperatura fresca tenta os visitantes a praticar atividades normalmente esquecidas quando se está ao nível do mar, como golfe, ténis, e longos passeios a pé. Não há dúvida que esta é, por excelência, a capital do descanso da Malásia, muito recomendada a todos aqueles que não gostam de praia e apreciam um toque de nostalgia colonial.

 

Ilha Tioman

Esta ilha, com um ar de postal ilustrado, situa-se na costa a leste da Península da Malásia, no mar do Sul da China. Gaba-se de possuir belas praias, de água límpida e repletas de corais, uma fauna marítima multicolorida , florestas nas terras altas virtualmente desabitadas, riachos de água límpida, e os dramáticos picos de Batu Sirau e Nenek Semukut. A ilha de Tioman foi abençoada com locais aos quais foram dados nomes exóticos, tais como 'Palm-Frond Hill' e 'Village of Doubt' e é geralmente citada como o cenário da mítica Bali Hai no filme South Pacific. A população permanente é reduzida, e os habitantes locais são normalmente em menor número do que os turistas. Junho e Agosto são o auge dos meses turísticos, mas durante a forte estação das monções, de Novembro a Janeiro, a ilha está quase deserta. Pulau Tioman é o destino mais popular dos turistas; Kampung Nipah é o local de visita para quando se deseja fugir de tudo. É possível ir para Tioman de barco, a partir de Mersing e de Singapura. A maior aldeia da ilha, Kampung Tekek, tem uma pista de aterragem.

 

Langkawi

Em frente à costa de Perlis encontram-se 104 ilhas do arquipélago de Langkawi.

Apesar das praias atraentes, estas ilhas recebem poucos visitantes.

O Taiping discreto, em Perak, é composto por belos jardins do lago, edifícios anglomalayos bem conservados, um interessante mercado de noite e praticamente nenhum turista.

Em Perak também podemos encontrar a histórica cidade real de Kuala Kangsar que possui excelentes mesquitas e palácios e foi o lugar onde teve origem a indústria de borracha da Malásia.

Ipoh, capital de Perak, alberga Neophema, mansões elegantes e templos impressionantes no interior de grutas.

Embora seja bastante difícil chegar a Tasik Chini, no centro do estado de Pahang, vale a pena visitar este local. São doze lagos, rodeados por uma zona de floresta bonita, com locais excelentes para caminhadas e, além disso, consta que neste local habita um primo do monstro do Lago Ness.

O Parque Nacional de Taman Negara, acessível apenas por barco, dá a oportunidade de visitar uma das melhores conservadas florestas tropicais do planeta. O parque abrange 4.343 km ² do estados de Pahang, Kelantan e Terengganu. A fauna selvagem é abundante e variada.

 

Sarawak

Sarawak oferece áreas (cada vez menores) de floresta virgem, a oportunidade de visitar as tribos dayak que vivem em malocas e um magnífico sistema de parques nacionais.

Perto da capital, Kuching, estendem-se remotas aldeias costeiras como Pandan e Sematan.

O Parque Nacional Bako possui uma área de floresta tropical virgem, praias e trilhos.

Ao longo do Rio Rejang e afluentes - auto-estrada do centro e do sul de Sarawak - podemos distinguir as casas comunitárias. As zonas a jusante abaixo de Song e Kanowit são, em geral, menos frequentadas.

Ao nordeste, encontramos as grutas de Niah, apenas acessíveis por barco, e, após uma caminhada de 3 km, tornam-se inesquecíveis pelas pinturas rupestres, pela vida selvagem da floresta, trilhos na selva e peos passeios noturnos para descobrir os fungos brilhantes.

Os visitantes de Sarawak vão perceber até que ponto o corte das árvores está a afetar o ambiente e o habitat das tribos dayak. Antes de visitar esta província, é aconselhável familiarizar-se sobre todos os aspectos relativos a esta questão.

 

Sabah

Tem paisagens espetaculares e uma fauna fascinante que as tornam nas principais atrações de Sabah.

Em frente à costa da capital Kota Kinabalu, está o imenso Parque Nacional Tunku Abdul Rahman (4.929 ha), formado pelas ilhas de Gaya, Sapi e Mamutik, Manukan, Sulug. Estas ilhas têm algumas das melhores praias em Bornéu, e a fauna inclui tudo, desde macacos para javalis barbudos, corais e peixes tropicais.

Em Kota Belud, situada no norte da capital, realiza-se aos domingos um mercado ao ar livre, uma das reuniões (conhecidas como amu) mais concorridas de Sabah. Este mercado atrai todos os tipos de vendedores que oferecem até "pilulas" mágicaspara gado.

No interior da ilha, o monte Kinabalu permanece como uma das principais atrações de Sabah. É considerada uma das montanhas mais fáceis de escalar do mundo e a vista de cima é impressionante, especialmente ao entardecer.

 

Leitura recomendada | Malasia

- Burgess, Anthony: Trilogía malaya, Ediciones Alfaguara, Madrid, 1997

- Yahp, Beth: La furia del cocodrilo, Ediciones del Bronce, Barcelona, 1997

- Salgari, Emilio: Sandokán, Ediciones Aljibe, Archidona, 2000

- Durrell, Gerald: Viaje a Australia, Nueva Zelanda y Malasia, Alianza Editorial, Madrid, 1995

Envie-nos o relato da sua viagem

1000 characters left
Adicionar

Siga-nos no

Porto 225 023 526      |      Paços de Ferreira 255 862 505

Parceiros